2.8.12

Mão Desfocada


E quando o obturador esconde sua face...
Só posso ver através da minha mão
Seu cabelo nos ombros, sua cintura e rosto...
enquanto o som distorcido ecoa na minha mente... fico criando cidades em que construíamos um por do sol juntos...
é uma espera estranha... uma caminhada complicada, mas sempre será prazerosa.
Sua boca, meu destino final.

(Aquarela e Caneta)
Postar um comentário