11.10.10

Fúria jogada para o espaço


Pétalas são expulsas lentamente a cada toque
o coração está se esquecendo de quantos pregos ele recebeu
e a cada passo para o além ele vai despedaçando suas pedras de gelo
está certo do que somos
e já está feito o que fizemos
não há como recuperar nossa fúria travada em quatro muralhas
era fúria ardente, fogosa, inebriante e ao mesmo tempo delicada
escorria entre meus dedos
escorria por seu rosto e estacionava entre seus seios
Está no espaço agora, flutuando e exalando pra ninguém
e não espera por sorrisos e olhares apaixonates... só está lá
é um presente pra almas perdidas como você.


(Lápis)
Postar um comentário